03/03/2013

The books on the table

Filosofias em inglês: alguém entende?  

No Facebook, no twitter ou em qualquer rede social é comum nos depararmos com mensagens escritas em inglês.
Falo das mensagens de auto ajuda, de paz, de otimismo, de bom caratismo  e boa parte delas escritas em inglês, geralmente aplicadas sobre paisagens bucólicas ou celestiais, provocando emoção ao leitor. Os efeitos com os textos  dificultam a compreensão do conteúdo. Mas quem é que que saber do conteúdo em redes sociais? Vale mesmo o estilo, muito mais que a mensagem. O meio nessas horas é a própria mensagem.

Em alguns casos mesmo escondendo certa dificuldade na sua própria língua, a pessoa arrisca-se pela universalidade, a que aprendemos a gostar desde criança, o texto fica com uma linguagem cinematográfica. Parece coisa de cinema mesmo, o efeito obtido torna-se perspicaz. 

Olha eu aqui julgando o que escrevem, isso não é nada legal. Cada um diz o que bem entende nessas páginas tão democráticas. Mas, também exercendo essa liberdade virtual, digo que elas me enchem de vontade de cair fora delas.
Eu também acabo  enchendo o saco de alguém com as bobagens que escrevo, mas o Blog é reservado e só o lê quem tem a curiosidade de acessá-lo. 

Não menos dolorido é ler os comentários dos amigos: São resumidos e agregados com a mesma profundidade da mensagem:  "fato",  "… é isso, miga",  "profundo, adorei"  "Concordo".

Inspirado na teoria da auto ajuda, criei uma mensagem que até mesmo, Paulo Coelho iria morrer de inveja. Tão sem sentido, tão idiota quanto as que leio pelo universo virtual. Mas carrega uma enorme cara de inteligência dentro de si. Uma verdadeira cara de paisagem.
Primeiro numa versão universal, a impactante e depois deixo a tradução para àqueles que faltaram nas aulinhas de inglês. Reparem como fica mais "profundo" na língua cinematográfica.

"Nothing should be compared to the desire to face eternity. Horizons nothing matters to God's life that seduces you from your past. Matter to the universe is what you expect from infinity, because in it you will find peace " 

"Nada deve ser comparado ao desejo de enfrentar a eternidade. Nada importa aos horizontes de Deus a vida que lhe seduz desde o seu passado. O que importa ao universo é o que você espera do infinito, pois nele você encontrará a paz" 

An? Não entendeu nada? Nem eu. A ideia é mesmo faze-lo não compreender, mas sim, provoca-lo, pra você cutucar, comentar e compartilhar com alguém, e dessa forma se inserir como um pensador indignado com este mundo cruel que não te compreende. Se colocarmos ainda que a autoria do tão profundo ditado for de Clarice Lispector ou de William Shakespeare, nossa senhora, detonava! As mina pira!
Postar um comentário