31/03/2013

Antanho

O QUE VÃO DIZER DE NÓS EM 2060? 
Encontrei algumas dicas de etiqueta dos anos cinquenta que refletem bem como era rigorosa a vida das pessoas naqueles anos. Regras para tudo e principalmente para as mulheres a coisa era ainda mais complicada. Moças e senhoras de família cumpriam-nas com a máxima preocupação para não serem mal faladas. Embora algumas delas ainda permaneçam meio que disfarçadas, a maioria, hoje, não teria cabimento.
“Toda senhora caminha sempre à direita do cavalheiro. Porém se transitar numa calçada essa norma deve sofrer modificação: o homem toma o lado da rua e a senhora o lado do parede” (1950) 
“Pentei-se de acordo com sua profissão e trabalho. Uma datilógrafa deve evitar cabelos soltos que atrapalharão seu serviço e lhe darão uma impressão de desleixo” (1950) 
“Toda dona de casa deve saber que o raciocínio das domésticas nunca é tão apurado e tão rápido quanto o dela. Daí a necessidade constante da sua supervisão” (1953) 
“Quando for comprar um dedal, prefira o tipo que tem as cavidades bem grandes, que evitará que a agulha se desvie” (1956) 
“Se você quer ter luvas chiques, não se limite às de tipo curto ou longo. Use-as de acordo com o tamanho da manga do seu vestido” (1950) 
“Se você é baixa e gorducha... Não ponha brincos com pingentes. Use brincos de tamanho médio, junto ao lóbulo da orelha” (1950) 
“Pouca coisa é mais deselegante e revela tão completa falta de sentimentos que num velório ou visita de pêsames, passar-se a contar casos que despertem nos demais a vontade de rir” (1958) 
“Só são trocadas palavras com estranhos, quando absolutamente necessárias” (1950) 
“Seguir esta regra de ouro: 'Onde vos querem muito, ide pouco. Onde vos querem pouco, nem ide' certamente evitará situações embaraçosas” (1957)

“Uma jovem ajuizada não deve manter um namoro para ‘passar tempo’, se não quiser ficar exposta a maledicências” (1954) 
“Uma senhora sempre está no direito de pôr fim a uma conversa inamistosa com um cavalheiro, pois não é prudente, nem educado, prolongá-la” (1949) 
“Quando de uma reunião de senhoras numa residência oferecida para tal, o chefe da família não necessita estar presente” (1950) 
“Leite e água devem ser as principais, senão únicas, bebidas das mulheres que esperam criança. As alcoolicas serão cortadas sumariamente” (1955) 
“É ignorante das boas maneiras quem demonstrar excesso de amabilidade, gentileza e cortezia. Isso deve ser natural e em quantidade moderada” (1957) 
“Painéis de pano bordados com cenas domésticas afixados nas paredes da cozinha, contribuem muito para tornar mais alegre e agradável o ambiente” (1949) 
“Uma jovem é que deve ser apresentada a uma dama, não o contrário” (1950)

“Não é delicado uma senhora dirigir-se ao marido da amiga ou conhecida, para fazer-lhe um pedido ou convite” (1956) 
“Em vistas de cerimonia as senhoras não precisam retirar abrigos e luvas. Os homens, sim, devem deixar no vestíbulo o sobretudo e o chapéu” (1959) 
“Quando uma visita se retira, devemos deixar a porta aberta até que se tenha se afstado bastante” (1959) 
“Evite sempre os arrulhos amorosos em público. Se é casada, essa exibição de ternura carece de sentido. Se se trata de noivos, provoca a impressão de uma intimidade um tanto imprópria. Se é um simples namoro, aí então, é muito mais grave, porque a tendência é de pensar-se sempre o pior” (1949) 
“Todos os pais devem manter-se distantes das rusgas dos noivos, pois dessa forma o ajuste entre eles se torna muito mais fácil” (1949) 
“Existem intimidades e confidências que correm grave risco se forem confiadas às cartas, pois estas podem extraviar-se ou ser lidas por pessoas que não conferem nossa confiança” (1949) 
“É de péssima educação tocar-se nos alimentos com as mãos cobertas por luvas” (1950) 
“Vestido de baile não deve ser utilizado para outra finalidade” (1950) 
“Gestos? Não os faça. São por demais impróprios a uma pessoa bem educada. Reprima sempre os movimentos superfluos” (1949) 
“A família de um rapaz que acaba de contratar casamento tem como obrigação visitar a noiva logo depois do compromisso, mesmo que a união não seja do seu agrado” (1954) 
“Uma senhora não deve fazer visita em companhia de algum homem que não seja seu marido ou pai” (1954) 
“Para carta manuscrita e social só será usada tinta preta ou azul. A de outra cor denota péssimo gosto e muita vulgaridade” (1954) 
“Se você quer diminuir a altura, use vertido de duas peças. Evite uma linha só, do decote à barra do vestido”  (1952) 
“Não deixe nunca que as alças de sua 'lingerie' apareçam em um decote. Nada mais deselegante e de mau gosto, para causar má impressão” (1957) 
“Rompido o namoro ou o noivado, as cartas e retratos trocados entre os interessados devem ser devolvidos. Escapam desta obrigação os presentes pessoais” (1953) 
“Deve-se evitar assoar-se em público. Sendo inevitável, não fazê-lo com ostentação e nunca expor o lenço depois de usado” (1949) 
“Jamais uma carta amiga pode ser escrita a máquina. Manuscritá-la é sinal de deferência.  (1953) 
“Demonstrações de afeto entre esposos devem ser feitas longe dos olhares alheios, que na maior parte das vezes as criticam como tolas, vazias e imprudentes” (1954) 
“ Entrar em conversa animada com caixeiras e balconistas procurando barateamento de preços é profundamente deselegante” (1959) 
“Se você é do tipo ingênuo NÃO use vestidos de noite complicados. USE modelos modestos e românticos” (1950)
 “Toda mulher deve ter o máximo cuidado com o porte. Não deve descuidar da maneira de andar, do modo correto de sentar-se e de muitas outras atitudes” (1955)
“No escritório, moços e moças devem levantar-se quando um superior lhes dirigir a palavra” (1956) 
“Não fica bem para uma moça convidar um jovem para almoço ou jantar, a sós” (1955) 
“Para evitar situações constrangedoras, o casamento de filhos de desquitados deve ser realizado na maior simplicidade possível” (1956) 
“Pimenta do reino, em pó, espalhados nos armários de livros afasta as traças e diminui o bolor” (1958) 
“Uma senhora correta evitará fumar na rua ou em qualquer outro lugar público” (1956)
“Se você tem muito busto, use blusas simples e de preferência enviasadas” (1950) 
“Não devemos usar nunca o lápis em nossa correspondência. A tinta é sempre o material correto” (1955) 
“Nenhuma dama deixará de apertar qualquer mãos que lhe queiram cumprimentar, mesmo que isso a obrigue, mais tarde, a uma desinfecção” (1949) 
“Se ainda não passa dos 21 anos, não prefira perfumes de aromas fortes” (1958) 
“Para um andar ereto e ritmado faça, diariamente, o seguinte exercício: suba e desça as escadas equilibrando um livro sobre a cabeça. Quando puder fazer isso sem lembrar-se do livro, saiba que seu andar passou a ser distinto e elegante como as artistas de cinema” (1949) 
“Deve-se fazer uso do garfo e faca para comer um sanduiche. Causa má impressão tomá-lo com as mãos” (1951) 
“Entre pessoa adulta e jovem, deve sempre haver uma certa distância nas conversações” (1951) 
“Falar tudo que vem à cabeça para criticar pessoas é sinônimo perfeito de falta de educação” (1959) 
Não vale gozar, a gente ainda carrega muito preconceito em 2013. O que vão dizer de nós nos próximos anos sessenta?

Postar um comentário