23/03/2013

Flagrantes da Realeza

Sugestivo o nome do ministério: da Pesca. Seria mais um Arranjograma?
Pescaria da boa essa, ainda mais agora que, segundo o bispo Crivela, os pobres estão doando mais. Eita! O colega de profissão de Pedro, disse que Lula e Dilma, com suas políticas públicas, fizeram com que os pobres pagassem menos juros. Menos juros, mais doações. Mais doações, mais igrejas em assembléias felizes. Só pode ser piada. Quem liga? Ninguém se importa, agora pode tudo, o sujeito fala uma coisa dessa, na maior cara de pau, e ninguém dá relevância.
O estado laico parece ser laico por conveniência. Fonte de dinheiro não contabilizada, grana limpa e lavada que cai do céu, sem que ninguém, num tribunal, sente na cadeira do réu. Plano do além, heim! Amém.
Esta terra não tem jeito mesmo, a malandragem está em tudo quanto é canto, com ou sem PA, PB, PC, PD, PE, PF, PG, PH, PI, PJ,  indo até o PZ. Seriam  todos do mesmo saco? Por mais que se apresentem diferentes, diante do dinheiro fácil, se rendem.
De O Estado de S.Paulo de 22/03/13, "pesquei" a matéria de Bruno Boghossian. Segue parte dela, pois inteira a ânsia de vômito seria incontrolável.
O ministro da Pesca, Marcelo Crivella (PRB), bispo licenciado da Igreja Universal, disse nesta sexta-feita, 22, a um grupo de cerca de 3 mil pastores evangélicos que eles deveriam "aplaudir" o governo da presidente Dilma Rousseff (PT), porque as políticas públicas voltadas para a população mais pobre permitiram uma arrecadação maior do dízimo - pagamento mensal feito por fiéis para sustentar as atividades das igrejas. "A nossa presidenta e o presidente Lula fizeram a gente crescer porque apoiaram os pobres. E o que nos sustenta são dízimos e ofertas de pessoas simples e humildes", disse Crivella durante um evento da Convenção Nacional das Assembléias de Deus - Ministério Madureira, em São Paulo. "Com a presidenta Dilma, os juros baixaram. Quem paga juros é pobre. Com menos juros, mais dízimo e mais oferta." 
Crivella, bispo licenciado, vai se catar. Pobres, despertem da hipnose, esqueçam as juras celestiais. Se sobrar dinheiro de juros, poupem, façam um pé-de-meia ou ajudem diretamente quem de fato necessite. Existindo deuses, duvido que eles mandariam mensageiros para cobrar pedágios, muito menos de pobres. Isso é coisa de zumbi-nazista nascido e criado em países do terceiro mundo. 
Postar um comentário