13/03/2013

Novum Pontificem


Quam mirabilis, habemus novum pontificem! 
Novidade para os católicos nesta terça feira, 13. A fumaça branca que saiu da chaminé da Capela Sistina confirmou a decisão dos cardeais - Habbemus novum Pontificen. Os sinos dobraram sinalizando festa pelo mundo que teme a Deus. Seja bem vindo, Francisco I, arrisque algo novo, seja diferente e faça os seguidores se surpreenderem. Se não, daqui seiscentos anos, outro Bento irá entregar os pontos.
Um tabu de quase seis séculos foi rompido: dois Papas vivos. Um na condição de emérito, aposentado, entregue à oração, o outro, mais jovem e humorado, apresentou-se como Francisco I -  ex Cardeal, Jorge Mario Bergoglio.   
O emérito, Bento XVI entregou o bastão e ganhou o direito de conhecer seu sucessor. Coerência germânica? É possível, mas mandou bem numa saída estratégica, uma "saída pela direita", como diria o velho Leão da Montanha, o personagem do antigo desenho animado. Bento se encheu, tentou ajeitar o inajeitável, curvou-se ao ambiente essencialmente preconceito. As religiões são historicamente preconceituosas, é o não pelo não e o sim pelo sim e quem não quiser assim que se exploda nos confins. 
O céu da religião não é o mesmo céu do telescópio Hubble. O Deus do milagre da fé nada lembra o Deus do universo paralelo. O da fé curte os quem o teme, e vira-se aos quem os destemem. O chicote provavelmente foi inspirado pelo da fé. O segundo, o da ciência, enxerga os dois lados.
As coisas não vão bem no Vaticano, como não vai bem o número de católicos pelo mundo. A igreja do sumo pontífice perde fiéis ano a ano. Os resistentes não são tão crentes quanto crentes foram seus pais. O crescimento neo-pentecostal é significativo. Islâmicos e judeus não se entenderam, anulam-se e se compõe  ao resto do mundo e este, confuso, muda a passos firmes das bandas largas. Mesmo com isto o Vaticano se mantém inflexível, não abre mão de nada. O fundamentalismo é radical e está na contra mão da razão.
Fico com o equilíbrio da tentativa da compreensão. Pois o medo chama a fé, a fé impõe obediência que por sua vez chama a fé que torna a impor a obediência, e assim vai. 
Sem religião economiza-se pedágios, livra-se de medievalices e não teme-se demônios, muito menos deuses. 
Imagem Google
Sejam felizes os não devotados em templos. Devotos somente da consciência para o coletivo e da compreensão da espiritualidade sem hierarquias. 
Habbemus Papam! Comemorem devotos, seja ele paraguaio, angolano ou tibetano. Vai dar na mesma, mesmo!
Postar um comentário