05/06/2013

Oftalmologista

Óculos. Eu uso óculos desde os 16 anos de idade. Na escola vinha percebendo que sentado no fundo da sala não enxergava as letrinhas e os numerozinhos da lousa, aos poucos fui me aproximando dela e também da professora. Era uma briga comigo mesmo, os sentados nas primeiras carteiras eram os coxinhas e eu queria ser o kibe da escola.

Duas coisas eu descobri quando passei a usar óculos - que na lousa tinha coisas escritas muito certinhas e outra, mais interessante, que não somente a voz da professora era gostosa. Me declarei poeticamente a ela e me dei mal. Malditos óculos.

Do Blog
Quase dois terços da minha vida eu uso óculos e claro, tive que aprender como olhar o mundo com maior nitidez, acho que nasci míope e enxergar com foco é mais difícil do que aparenta. É difícil.
Outra coisa importante que desenvolvi usando óculos é que nem sempre devo dizer o que penso, embora ainda, vira e mexe caio numa emboscada por ser um boca mole. Os ancestrais sempre me alertaram para que eu olhasse mais e falasse menos. Outra coisa difícil.
Por isso gosto de escrever.  Devo aos óculos o vício pela leitura e este foi quem me empurrou para o prazer de escrever.

Escrever é silencioso, gostoso, íntimo, nítido, quase que um orgasmo. Para um míope a nitidez é um tesão e escrevendo vejo o desfocado mais claramente. O que preciso mesmo é aprende a escrever melhor.

Melhor é outra coisa que me aborrece. O que é melhor? Para quem e por quem escreveria melhor? Sem respostas, optei por escrever para mim mesmo.

Por tudo isso vou hoje ao oftalmologista. Minha última consulta faz quase três anos e de certo estou nas primeiras fileiras da classe sem ter me dado conta disso. Isso não é bom, já me dei mal uma vez.

Postar um comentário