19/05/2013

Domingo emergente

Domingão, dia de não fazer nada, mesmo sabendo que vai se fazer um monte de coisa. Mas o que importa mesmo é que é domingo, domingão, o melhor dia da semana. Faça chuva ou faça sol, domingo é domingo e fim de papo.
Tem futebol na TV, macarrão da mama dos bons, com muito molho de tomate, tem o vinho, o queijo e o pão. Equilibrando vêm as brajolas. Tesão.
Sai daqui, sai dali, a patroa pede logo cedo para irmos até a feira, ao mercado e se passa na banca de jornal. A PlayBoy do mês está escancarada e a morena está um show. 
O papo na padaria é sagrado, ai daquele que não der uma passadinha por lá. Ou o cara ganhou na loteria ou está devendo na quitanda. Tem que botar a conversa em dia. Os barrigudos se encontram por lá e não deixam escapar nada.
A soneca depois do almoço é certeira, no sofá é mais gostosa. Apoiando a cabeça com a mão e o cotovelo suportando o peso do sono-pesado, meio que fatal, jogado no encosto de braço da poltrona desbotada até a pança murchar, claro, soltando puns, pois no sono ninguém segura.
Todos os dias deveriam ser domingos. Domingos de sol e de céu azul, de pescaria e churrascaria. De papo furado, lavando o carro com alegria. Acho que era assim no começo, mudaram por alguma razão e nós, que não somos bobos nem nada, seguimos o carrilhão.

Bom domingo e bom macarrão.


Imagem Google

Postar um comentário