13/04/2013

513 anos de mentiras e sadismos.

"O GOVERNADOR E O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA SÃO TÃO CULPADOS QUANTO O 'HOMEM' QUE ATIROU. PAGO MEUS IMPOSTOS EM DIA E GOSTARIA QUE FOSSE MOSTRADO ONDE ESTÃO OS INVESTIMENTOS EM SEGURANÇA, EM EDUCAÇÃO E EM SAÚDE" 
Essa frase resume o sentimento de indignação, não somente de uma mãe que perdeu o filho de 19 anos, assassinado esta semana com um tiro na cabeça, bem em frente ao edifício onde morava, crime provocado por um garoto ainda menor de idade, que muito provavelmente, em breve, estará nas ruas cometendo outros crimes iguais ou piores que este. A indignação está latente na sociedade brasileira, tanto quanto sua estupidez e hipocrisia.
Tem razão a mãe quando disse que o culpado não é somente o assassino que puxou o gatilho, mas também e principalmente, os mentores do estado. O estado é tão culpado quanto o criminoso direto, pois fomenta através da sua incompetência a manutenção da desordem e se o estado é culpado, nós também devemos assumir nossa participação. Nós elegemos os candidatos aos cargos públicos, nós aceitamos as suas propostas de campanha mesmo sabendo, fingindo não saber e dando uma de politizados, que boa parte do que é prometido jamais será realizado. Nós admitimos a corrupção no dia-a-dia, aceitamos a ladroeira institucionalizada travestida de democracia, endossamos o sistema político rançoso, arcaico, fora de tempo que impede a cidadania espontânea e pior, ainda fazemos piadas das próprias mazelas, cheios de orgulho de nossa natureza brincalhona.
Há ainda os que defendem essa ou aquela bandeira a ferro e fogo, patéticos representantes do mal, nem se dando conta de que todos eles estão sob o mesmo guarda-chuva, o da mentira.
A etapa seguinte, isso é de praxe, como num roteiro de filme de segunda nada inovador, é: por uma ou duas semanas a imprensa, a população, os oportunistas, todos vêm com balelas do tipo, redução da maioridade, lei pra isso, lei pra aquilo, que falta isso e aquilo outro, tudo muito igual até cair no esquecimento, superado por outras aberrações sociais e sociológicas, mais fresquinhas. Parece que temos sede de sadismo. 
Está mais do que na hora de revermos tudo que nos foi ensinado, de deus ao diabo, do branco ao preto. Rever tudo, absolutamente tudo, sem deixar escapar nada. Tolerância zero aos dogmas, às crenças, ao sistema, ao mal e ao compreendido como bem. Vamos limpar a alma. É provável que boa parte do que nos enfiaram goela abaixo seja revelada como uma grande mentira.  Mas isso cada um de nós deve fazer quando estamos com nós mesmos, quando deitamos a cabeça no travesseiro. Talvez dessa forma haja alguma chance de melhora.
Acho que somos uma experiência mal sucedida, mas que ainda poderá ser revertida. Pela sobrevivência da espécie, devemos tentar.
  
Postar um comentário