28/07/2012

O lugar

Seria um lugar onde as pessoas não precisassem usar a voz para falar. Nem com mímicas, nem com dedos em riste empunhar. Nem tão pouco, com gritos, uivos e nem ironias elas se manifestariam. Bastaria, nesse lugar, somente o olhar. Daqueles de sombrancelhas arqueadas, das que revelam surpresas agradáveis e alegres. Olhar que faz o músculo da face arquear um sorriso lindo que se põe a brilhar. Nunca as de forma franzidas, carrancudas e consequentemente nefastas. Essas jamais se veriam nesse lugar.
A palavra. Estas seriam escritas e bem escritas como alternativas à voz e colocadas em todo tipo de papel ou acetato. Do higiênico ou daqueles que embrulham o pão que nos sacia. Não importa onde estaria a palavra escrita, bastaria ela existir. Poderiam se encontrar todas elas até mesmo numa tela de computador - letrinha por letrinha, uma após a outra, matematicamente organizadinhas, formando palavras escritas na justa forma, dando ao leitor o acalante sentido no teor.
A fome e o suor, nesse lugar não existiriam nem para o pior. Elas, as letrinhas, ao serem de mal dizer escritas se desmanchariam e se perderiam no espaço, como se fossem em vento forte, pura fumaça sem cor.
Nesse lugar, além do olhar fraterno e das letrinhas justa postas, poderia-se encontrar também a pausada ordem das notas sobrepostas num pentagrama, que por elas seriam ouvidas, quando bem interpretadas num instrumento de madeira ou de metal. Olhando-se essas notas, confundiriam-se com pequenos pássaros negros repousando sobre fios em dias calmos. Estariam num desenho sem fim e todas orientadas por uma singela clave de Sol ou até mesmo por uma de Fá. 

A música arrefece e dá luz à alma. Ela nos acalma e nos excita ao mesmo tempo. Que dom tem seu talento de nos prender por um momento. Talvez seja ela a melhor forma de apego entre todos os seres de todos os mundos e de todos os universos. Devia existir mesmo antes do nada existir.



Devia existir no lugar antes do Big Bang. Mesmo antes do tempo. Mesmo antes do qualquer espaço. No princípio.

Postar um comentário