11/12/2012

Zé Corvo ama Tequila de montão.

José Manoel Corvo sofreu com a Tequila neste último ano. A vergonha assolou o coração, mas o vício acobertou a razão.
Zé Corvo, como era conhecido e muito querido, nunca foi dado ao álcool, preferia vende-lo com lucro. Da mesma forma fazia com o arroz, o feijão, a manteiga e o macarrão na velha mercearia herdada do pai, Seu Sebastião..
Diariamente das oito da manhã até às oito da noite, via-se Zé Corvo debruçado ao balcão atendendo a clientela com satisfação.
Até constatar com os próprios olhos, olhos que a terra um dia há de come-los, que apesar de ser um marido fiel a mulher o traia pra dedéu. Só depois entendeu porque de uns tempos pra cá os fregueses o chamando de Zé Corvo deixavam escapar um enezinho no meio do nome. Não somente os cachaceiros encostados por lá, mas também as freguesas antigas, aquelas dos tempos  de quando o pai era vivo.
Numa tarde precisou buscar o grifo em sua casa duas quadras abaixo. Não era  hábito largar o balcão pelo dia, mas a emergência do cano estourado assim pedia, aproveitou a loja vazia. Foi e pegou no flagra o Alicate com sua mulher na cama.
Berros e dois tiros se ouviram, por sorte as balas tomaram outro destino, o criado-mudo. Zé Corvo era míope e quando nervoso as lentes entupiam a visão.
Alicate, o negro de dois metros e de 130 quilos espalhados pelo corpo, empregado de dez anos na venda e que naquela hora deveria estar nas entregas e não na cama com a mulher do patrão, saiu correndo com as calças na mão exibindo a ferramenta que a pouco estava em ação. Os curiosos comentaram. As curiosas mais ainda.
Rosemary Corvo de 34 anos, caiu ao chão implorando o perdão. Mas Zé Corvo não deu não.
Falou-se depois que os encontros aconteciam a um tempão e não só com o negrão, outros tantos desfrutaram o mulherão. Zé Corvo nada sabia, a dedicação tomou-lhe o tempo, como faz até hoje, só que agora mais calejado, mantém ao seu lado, Rosemary Corvo, a morena do coração - Tequila como ainda prefere chamá-la. Das oito às oito ele e ela atrás do balcão.
Postar um comentário