15/12/2012

O Xadrez da Felicidade

Raquel deixou Ernesto depois de sete anos de casamento. As constantes discussões se tornaram demais para ela, o ciúme dele chegou a níveis insuportáveis. Para Ernesto a esposa não passava de uma vulgar. 
A separação foi bastante difícil, mas com intervenções de amigos e familiares, encontram-se finalmente no fórum na presença dos advogados, do assistente jurídico e do juiz. Lavrou-se assim o divórcio.
Leitora de romances picantes desde a adolescência, Raquel dedicou-se à leitura deles ainda mais, foi quando conheceu os livros de Enrico Domanni, um escritor italiano que morava em Roma, e por ele, através de sua poesia erótica, Raquel se apaixonou. 
Quis a vida que eles se conhecessem pessoalmente após um ano de contatos por emails e câmeras de computador. Souberam que ambos vinham de casamentos fracassados.
Raquel foi para a Itália e na casa de Enrico, na periferia de Roma, ela se hospedou por um mês. Casaram-se no mês seguinte e mudaram-se para Nápoles onde o escritor nascera fazia 38 anos e nesta cidade ele quis viver com a mulher brasileira. Tiveram dois filhos lindos, Breno e Giovana, ele com os traços acentuados da mãe e ela cópia idêntica do pai. 
A mãe de Raquel faleceu no Brasil vítima de um assalto mal sucedido num caixa eletrônico. Ernesto tornou-se um pastor respeitadíssimo, depois que deixou o vício e o tráfico. Casou-se com Ester e com ela teve quatro filhos sadios. 
Todos são muito felizes hoje em dia. Inclusive o juiz e o assistente jurídico que dividem o mesmo apartamento na avenida Paulista.
Postar um comentário