18/10/2012

Soberba na Pocilga

Dor de dente ao doente fica pior com leite quente.
Me dá nojo, sinto ânsia. A repulsa, o asco e depois que passa, 
vem o perdão.
Perdoo e não esqueço. Sem rancor, sem ódio, compreendo.
Vem a poesia dentro da música. 
Música simples e letra também.
De alguém que vive hoje nas estrelas, lá no infinito.
Tímido, calado, sentia repulsa também.
Assim como eu, assim como você.
Vale mesmo é gozar.
Vale brincar e não levar tão a sério.
São somente porcos na pocilga.

Dia de saco cheio é assim.


Aos porcos, a minha homenagem.

...Você tem visto os porquinhos 
rastejando na lama?
E para todos os porquinhos
a vida está ficando pior.
Sempre tendo a sujeira a rodearem.

Você tem visto os grandes porquinhos
em suas camisas brancas engomadas?
Você irá encontrar os grandes porquinhos
remexendo a sujeira.
Sempre com camisas limpas para brincarem.

Em sua pocilga com todos os seus fundilhos.
Eles não se importam 
com o que está rolando.
Em seus olhos existe algo faltando.
O que eles precisam é de uma boa palmada.

Em todo lugar há muitos porquinhos 
vivendo a vida porca.
Você pode ve-los jantando fora
com suas esposas porquinhas.
Agarrando garfos e facas para
comerem seus bacons...
Piggies - George Harrinson

Postar um comentário