24/12/2011

Essa vai pra você.

Onde quer que você esteja, seja lá o que estiver fazendo ou se estiver pensando em mim ou não, espero de verdade que esteja bem. Bem de alma e bem de corpo. Bem e de bem com a vida. 
Espero de verdade que esteja caminhando em direção ao encontro de seus sonhos. Que esteja feliz, curtindo aquilo que goste e que seja coisa boa.

Nessa época do ano a gente fica um pouco mais sensível e nos damos conta que existe vida inteligente além daquela que vivemos no dia a dia.
Vida inteligente além daquela que nos oprime e frusta às vezes. Além daquela que provoca momentos de alegria e de tempos em tempos se intercalam com mágoas e tristezas profundas. Essas a gente esquece, mesmo doloridos, seguimos nos renovando.

A renovação que adotamos comumente é buscada através dos calendários e esses, como sabemos, foram criados a partir dos astrônomos medievais que na medida em que descobriam a lógica celestial criavam calendários e esses foram instituídos por reis ao longo da história. E todos sob forte influência da religião. 
Nos percebemos pequenos quando olhamos para o céu. Há lapsos de consciência diante do cosmos. 
Mas a renovação pode ser levada à frente por cada um de nós a qualquer momento, a qualquer tempo, independente de qualquer calendário. Depende só da gente.
Fácil de escrever, fácil de falar. O difícil é colocar ela em prática. Sair da teoria, do blá blá blá e fazê-la de fato. Nao é?  É, é sim. Pensamos bem a respeito.

O natal cristão representa muito mais que uma data comemorativa, onde parte da humanidade comemora o nascimento de Jesus Cristo, seguindo sua fé, seus valores e sua tradição. Esta data, diante do infinito do universo, pode não ter a menor importância. 
Me explico: por brincadeira imaginamos por algum instante, existir entre as formigas a crença em uma entidade a qual elas respeitassem e temessem, assim como nós diante das nossas fés, o que esta entidade representaria para nós seres humanos?
São tão pequenas que nem mesmo sua entidade maior seria percebida pela tão magnitude de nossa sabedoria.

Da mesma forma, na hipótese da existência de vida inteligente em algum ponto distante do universo - alguns afirmam de pés juntos essa existência, o que o natal cristão significaria para ela?
Muito mais que idolatria ou fé que aparenta ser cega e que dá aos descrentes a impressão de um quê de estupidez e alienação aos que as têm. 
Devemos aproveitar a data para, ao menos, saborearmos do ensaio de espiritualidade, essa que se espalha entre os cristãos.
Gosto de absorver o ambiente de fé do final de dezembro, dos dias próximos ao 25. A emoção esparramada, concretizada, anunciada pelas mídias, pelo comércio que se aproveita dela. Dos cumprimentos quase chorosos, exagerados às vezes, pelos símbolos estrategicamente elaborados, sem pé nem cabeça para os que são de países tropicais. Neve nos trópicos é um delírio. Mesmo assim é encantador, como num filme em que derramamos lágrimas de emoção. Talvez a maior encenação criada pela raça predominante do planeta.

Contudo, vale o significado. Ao significante, vale a  lembrança do porque estarmos vivos. Vivos com decência, dignidade e esperança. Vivos, não para sobrevivermos e sim vivermos a vida que nos foi dada.

A renovação pode ser dada até mesmo nesta data. Deus permite. Valeu Jesus, sou seu fã de verdade. Sei que você não tolera as religiões e nem o estado e chora pelo desprezo à fé, sentimento ainda inexplicado. Também por isso te admiro.

Olhe com sua eterna luz de bondade pelas formigas, pelos extras-terrestres distantes do universo e por nós, humildes terráqueos que brigam o tempo todo e somente nesta data lembram de você.
Um abraço, meu caro. Fique com Deus.








Postar um comentário