06/12/2011

5.616.000.000.000.000.000

A NASA identificou mais um planeta nesse universo sem fim. Notícia que se leu em todos os jornais do mundo nesses últimos dias.
Deram o nome de Kepler 22-b e fica numa zona habitável. O que isso significa fora da terra? 
E mais, nele há a possibilidade da existência de água líquida. Líquida, não em estado sólido e nem gasoso, isto é, haveria um sol nas imediações do tal Kepler 22-b a tal ponto que pudesse inibir qualquer tentativa de formação de gelo?
Em medidas científicas esse novo horizonte fica a 600 anos luz daqui. Seiscentos anos luz. Parece perto, que bom, temos vizinhos no cosmos?
Cada ano luz representa uma distância de trezentos mil quilômetros por segundo. Portanto, fazendo as contas, a cada minuto a luz percorre dezoito milhões de quilômetros e isso multiplicado pelo número de minutos em uma hora, a gente chega ao assombroso número - um bilhão e oitenta milhões de quilômetros.
Em um dia a distância alcança os vinte e seis bilhões. Vinte e seis bilhões de quilômetros.
Em um ano - trezentos e sessenta e cinco dias, chegaremos aos nove trilhões, trezentos e sessenta bilhões de quilômetros.
Mas a distância do Kepler, segundo a NASA é de 600 anos luz. O número final, então, vai para os cinco quinquilhões, seissentos e dezeseis quatrilhões de quilômetros. 
Em sequência de algarismos ordenados - 5.616.000.000.000.000.000
Perto? Muito próximo aos olhos de uma sonda e um telescópio magnífico.
Lembrando, calculamos em quilômetros. Se a medida for em metros chegaremos aos seis sestrilhões e uns trocados de quilômetros. Façam as contas, eu fiz. 
Certas descobertas não se questionam, simplesmente as aceitamos como elas nos chegam, ou não, as jogamos fora.
A fé em Deus deve ser alguma coisa assim. Algo como todo esse número multiplicado por ele mesmo e elevado a mesma potência. O resultado talvez pudesse representar uma pequena dose desse sentimento. Um matemático não seria capaz de traduzir. Um poeta, talvez, fosse mais feliz, talvez fosse.
Para a fé não há tradução e nem conversão. Fé é fé.

NASA - Concepção artística do primeiro planeta situado na chamada "zona habitável"

UOL-NOTÍCIAS - NASA ANUNCIA PLANETA QUE PODE TER ÁGUA
O planeta Kepler-22b é o menor encontrado pela sonda espacial a orbitar uma estrela similar à da Terra na "zona habitável", aquela onde as temperaturas permitem o desenvolvimento da vida.
Apesar de não saber se o planeta (que é maior que a Terra) é rochoso, gasoso ou líquido, a subdiretora da equipe de cientistas do Centro Ames, Natalie Batalha, afirmou: "estamos cada vez mais perto de encontrar um planeta parecido com a Terra".
O observatório Kepler já tinha dado pistas anteriormente da existência de planetas com dimensões parecidas com o nosso orbitando em "zonas habitáveis", mas esta é a primeira vez que o fato é registrado.
Os cientistas, além da descoberta, também atualizaram o número dos candidatos a planetas na lista que começou a ser elaborada em 2009. Agora são 2.326 planetas, 207 possuem tamanho semelhante ao da Terra, 680 são maiores e se denominam "super Terras".
Entre os restantes, 1.181 possuem o tamanho de Netuno, 203 são equivalentes às dimensões de Júpiter e 55 são ainda maiores que Júpiter, o maior planeta de nosso Sistema Solar.
Lançada em março de 2009, a missão do observatório espacial Kepler é recolher dados e provas de planetas que orbitam ao redor de estrelas em "zonas habitáveis", onde pode existir água líquida e, portanto, vida.
O observatório espacial Kepler detecta os planetas e os candidatos a planeta mediante a medição das quedas no brilho de mais de 150 mil estrelas, que são observadas para analisar se estes possíveis planetas passam na frente dessas estrelas, um movimento conhecido como trânsito.
No entanto, essa técnica não é suficiente para verificar o sinal de um planeta. Apenas quando são registrados três trânsitos, o observatório inicia o processo para determinar se é ou não um possível planeta.
Postar um comentário