09/09/2012

Manhãs

__ Tarde!
__ Tarde, cumpadre.
__ Firme?
__ Não, não… é futebor…

Por aqui amanhece o dia e parece que vai ser mais um daqueles quentes, embora pelas manhãs o friozinho faz com que a gente vista um casaco. Aliás o inverno em São Paulo este ano não vai ficar marcado como um dos mais frios. Agosto não choveu e fez sol forte elevando as temperaturas praticamente todos os dias. 
Diferente de estar numa cidade grande as primeiras horas do dia numa cidade pequena do interior, ouve-se muitos passarinhos cantando, contemplando os primeiros raios de sol, animais da noite se recolhendo, uma ou outra voz humana que vem de longe e a variação de sons é enorme, parecendo até uma orquestra antes de uma apresentacão. Não há uma organização nesses sons, eles vêm de todos os cantos e o conjunto faz a harmonia um espetáculo. 


Nas manhãs os sons, o clima, o ambiente, a luz natural, tudo faz com que nosso espírito se equilibre e nada melhor que saborear tudo isso, acreditando que amanhã teremos mais. É uma abundância de prazer.
As coisas mais ricas são simples e estão à disposição pra quem quiser, bem à nossa frente. Respirar e estar vivo nos dá esperança.

Do alto não existem segundas feiras.

Postar um comentário