01/09/2012

Ao hipócrita ou Simpatia ao Demônio (tanto faz)

Quem? Quem?

Deram o nome de Lúcifer ao bebê que nasceu em Santo Alto, interior de Sergipe ou Rio Grande do Sul ou do Norte, não se sei ao certo. O nome surgiu da junção dos nomes do pai, Lucimario e da mãe Ferdinalva. É comum em algumas regiões do hemisfério sul. 

Menino sadio, gorducho e com olhos negros profundos, esbugalhados que mal cabiam no rosto de bochechas arredondadas e pesadas. Até os dentes nele nasceu no sétimo dia, quando o céu de tão escuro meia noite parecia quando na verdade era meio dia.

O padre pelo nome não batizou, a freira se escondeu e o da macumba só cantou. Mas a parteira de pai ateu assimilou e com reza estranha o abençou. Os vizinhos se entre olharam e ao pé d'ouvido também falaram: que raio de nome é esse Zé... é dus demonius?

No cartório o escrivão desdenhou, resmungou, não acreditou, mas teve aos poucos e aceitou - Lúcifer dos Santos assim o registrou.

A igreja não comunhou, a beata não deixou. O pai tentou mudar o nome, mas o prefeito rejeitou.

Aos cinco sabia ler e escrever, aos dez ensinava matemática, física quântica, química e biologia. Quando aos quinze apresentou tese contestando a teoria da relatividade. Na revista cientifica mundial ela apareceu. Matemáticos do mundo, aplausos a Lúcifer concedeu. Aos dezoito, na maior-idade falava mais de cento e oitenta e três línguas diferentes e centenas e centenas de dialetos dos quais alguns assinalados já como mortos. Depois dos vinte e dois conhecia todas.
Veio determinado a dominar o mundo e conquistou. E na luta se embrenhou. Lúcifer dos Santos, presidente se tornou. De um país, por sete anos, depois outro e mais outro. E o mundo todo o adorou. Rei das guerras, dos tempos de paz e da fome. 

Construiu castelos e muitas damas cortejou e nelas filhos ele deixou. Escreveu as leis com tinta transparente em papel de luxo.

No Livro da Ordem a introdução assinalou: 
"Por favor, me permita que me apresente. Sou um homem de riquezas e de bom gosto. Estive por aí por muitos, muitos anos e roubei a alma e a fé de muitos homens. Estive lá quando Jesus Cristo teve seu momento de dúvida. Certifiquei-me de que Pilatos lavasse suas mãos e selasse seu destino.
Prazer em conhece-lo e espero que adivinhe meu nome. Mas o que está te intrigando é a natureza do meu jogo, não é?
Eu também estava por perto de São Petersburgo quando vi que era a hora de uma mudança. Matei o Czar e seus ministros. Anastácia gritou em vão.
Montei em um tanque e mantive a posição de general quando a guerra relâmpago estourou e os corpos federam.
Prazer em conhecê-lo e espero que adivinhe meu nome. Mas o que está te intrigando é a natureza do meu jogo, não é? Quem? Quem?
Assisti com alegria quando seus reis e rainhas lutaram por dez décadas. Pelos deuses que criam a todo instante  Quem? Quem?
Grito alto - quem matou os Kenedys? Quem derrubou as Torres? Quem descobriu o Brasil,  quem criou a Telefonica,  TIM, VIVO, CLARO, OI, o Facebook e o Google? Quem criou a convivência entre riqueza e miséria e o que ela representa?  No final, sabemos quem - fui eu e você.  
Deixe-me conhece-lo e apresentar-me. Sou um homem de posses e de bom gosto. Deixei armadilhas para os trovadores que acabaram mortos antes de alcançarem suas amadas. 
Prazer em conhece-lo, espero que tenha adivinhado meu nome. O que está te intigrando é natureza do meu jogo, eu sei. Isso, divirta-se, meu bem! O que está te confundindo é a natureza do meu jogo. 
Assim como todo político é um criminoso e todos os pecadores são santos, me chame simplesmente de Lúcifer. Porque só o que preciso é de uma amarra e você a tem. 
Então, se me encontrar tenha alguma cortesia, tenha simpatia e tenha-me de bom gosto. Use toda a educação bem aprendida ou eu vou jogar sua alma no lixo"     
Adaptação impulsiva - Sympathy for the Devil - Rolling Stones
Jamais espere alguma coisa de mim, só tenho atenção para sua alma. Se desprenda e ela será minha. Você está com um pé aqui e outro lá.
Encerrou com essas palavras seu livro santo.



Postar um comentário