28/09/2011

Olivia



Olivia 
Minha querida, Olivia. Você ainda não me conhece, mas eu já conheço você. Não pôde me ver quando tentou abrir os olhos despertada pela minha voz te contemplando lá na maternidade, quando te levei ao colo. Três quilos e meio. Pesadinha, heim!
Dizem que os bebês não enxergam direito. Eu não me lembro direito dessa minha fase, faz tempo e minha memória não anda lá essas coisas, por isso não posso afirmar nada.
Adorei o seu jeitinho de olhar.



Onde você estava era mais escurinho, não é? Aqui fora é mais claro e se prepare, mais barulhento. Mas você vai gostar. Acredite.

Acho que minha voz você ouviu. Sou seu vovô e vai me chamar de vô daqui um ano e meio mais ou menos e você ouvirá muitas estórias, como suas irmãs e primas ouvem e riem das maluquices que eu conto. Elas se divertem e acho que você vai gostar também. Se não quiser ouvi-las é só pedir que eu páro na hora, tá bom?

Sou o pai da sua mãe e digo que estou muito feliz com sua chegada, com seu nascimento. Muito feliz mesmo.
O vovô é meio bobo, mas lá no fundo é legalzinho. Você poderá contar sempre comigo. Gosto de crianças e em especial das minhas netas. Com você, Olivia, são cinco - cinco lindas meninas que considero mais do que a mim mesmo.
Gosto também de animais e, estranho, acho que eles gostam de mim também. Nunca fui mordido por nenhum deles e entendo bem seus olhares. Conversamos de vez em quando. Se você quiser, quando crescer vou te ensinar como se faz isso. Eles gostam de conversar com a gente.

Espero que você seja muito feliz, assim como, espero que todas as crianças do mundo sejam felizes também. Todas, absolutamente todas, pois elas sendo alegres e felizes os seus pais também serão e eles sendo felizes o mundo será melhor.

Minha amada, seja bem vinda a este mundo. Apesar de confuso ele é legal. Irritante às vezes, complexo e destrambelhado. Há muita discriminação e medimos forças constantemente. Nós adultos de maneira geral somos inseguros  e costumamos colocar culpa nos outros das falhas que enxergamos em nós mesmos.
Fazemos guerras, brigamos, provocamos. Mas acho que se você crescer sabendo que as coisas podem ser resolvidas conversando e procurando passar para outras pessoas essa maneira de ser, você encontrará um mundo bem melhor e se dará bem vivendo nele.
Reforço, aqui é legal pra caramba. Muito legal. Estar vivo neste planeta azulado (você vai entender melhor quando crescer porque digo que é azulado) é um privilégio.

Acreditamos numa coisa suprema e isso nos conforta, principalmente nos momentos de aflição. O criador de tudo? Dizem que é, mas não sei se é bem isso. Mas, é certo que é uma entidade muito superior e quanto mais dirigimos nossos pensamentos a ele, mais nos sentimos leves. Incrível, difícil de explicar, mas é verdade. O chamamos de Deus. Em português é assim, com a letra D em maiúsculo, sinal de respeito (aqui entre nós, pura bobagem - ele lê nossos pensamentos, sabe dos nossos sentimentos, tenho certeza de que ele não liga pra isso). Não dá pra mentir pra ele. Esse é o cara, pode confiar.

Olivia, agora vou dormir, pois amanhã tenho que trabalhar. Vou agradecer a Deus (com D maíusculo) a sua chegada. Faltava você em nossas vidas. A vida ficou ainda melhor com você entre nós.

Em tempo: seu nome é lindo - Olivia, acho que combinou. Era você mesmo que esperávamos.

Um beijo do vô. Até amanhã e durma com Deus.





Postar um comentário