26/04/2012

Diário do dia - Quinta Feira, 26 de abril de 2012

Laerte
O chargista que me permita o uso despretensioso de sua história, achei tão boa a sacada que meti bala num control-c e control-v aqui no blog.  É da Internet, não leve a sério, o creditei pela contemplação e cumprindo com minha obrigação, assim, diminuindo também o peso pela apropriação não autorizada. Considere como um elogio. É sério.

Achei que em tão pouco espaço e com um humor bem apurado o talentoso artista resumiu o que é a rotina na vida da gente. O sujeito carrega um fardo pelas costas que nem ele próprio se dá conta do que está fazendo. É tão estúpida sua condição que quando alertado do sobrepeso por outra pessoa se pergunta onde largou sua vida. Condicionado, preso e acomodado ele somente reclama, ainda com o peso sobre si.
E o ...taquipariu ficou tão espontâneo no contexto que não pude resistir, vim correndo para cá.  Devia entrar para o vocabulário da língua portuguesa culta - escrita, falada e documentada, além de tudo, o som da palavra tem um tupi-guarany embutido que deu uma brasilidade sem igual. Meio que tatu no indo - do português, está tudo indo.

Taquipariu lembra nome de cidade do interior de São Paulo ou do sul de Minas. Lembrei que os nascidos nela seriam registrados como taquipariuense ou taquipariuano.
Indo além, imaginei esta cidade um dia se tornando importante, muito importante. Totalmente cosmopolita, uma mega-cidade fincada no coração do Brasil, referência econômica, política e cultural, reconhecida mundialmente e muito procurada por turistas estrangeiros. Elegante e culta, a ponto de decidirem torná-la capital do país,  num novo, Distrito Federal, deixando a atual na condição secundária de obra arquitônica de gosto duvidoso, com desenho mais reflete a um camburão do que de um avião, como se referiu o próprio, centenário, seu projetista. 
Ela seria construída mais para o noroeste do centro oeste do país, próxima aos estados do Acre e de Rondônia e há poucos quilômetros das fronteiras da Bolívia e do Peru. Seria de certo um marco no Mercosul.  Pensei próxima à fronteira argentina de início, mas desisti, de certo as mães dos hermanos não iriam vê-la com bons olhos, pareceria mais uma provocação dos macaquitos.
Em Taquipariu viveriam milhões de pessoas felizes, pois muitos se mudariam para lá e sendo ela a capital do país e possivelmente, num futuro próximo, também das Américas, do centro e do sul ao menos e indicada seria, com toda a certeza, como local para a nova sede das Nações realmente Unidas.
Lá os pistoleiros não teriam emprego, os traficantes mudariam o seu caminho, os corruptos não teriam vez pois políticos profissionais não existiriam, bastariam os voluntários de meio expediente. As escolas, creches e hospitais, todos seriam públicos. As igrejas com pedágios, banidas naturalmente, excomungadas,  elas estariam na mesma distância daqueles que exploram as crianças no resto do Brasil.
Como digo sempre, o advento da internet facilitou a vida do curioso. Tem-se tudo muito rapidamente. A questão é a interpretação - não necessariamente se escreve ou se fala o que houve, mas sim, o que se ouve. Oswald de Andrade sacou essa tempos atrás, brincou com os sons dos verbos haver e ouvir. Taquipariu, o cara era phoda.



Primeiro de Maio - Dia do Trabalho. E não é só aqui que se comemora, vários países homenageiam aos da labuta com um dia de descanso. E nós que cultivamos os tais feriadões, temos mais um pela frente. Mais um nas terras brasileiras. E já que o mar não está pra peixe o negócio e relaxar na onda e na medida do possível não se afogar nela.
Se em Brasília, a terra da pizza, a turma se apresenta de terça à quinta feira, na semana que vem o tempo será menor ainda, estarão por lá na quarta e na quinta. Que desperdício de passagens, emendem também, sem constrangimentos.  Alguém duvida de um semanão na capital do Brasil?




Barcelona e Real Madri ficaram para trás. Nem Messi nem Cristiano Ronaldo (nome esquisito esse, poderia ser, pois, Gilberto Alfredo ou Renato Roberto) estarão na final da Liga dos Campeões. O nosso Kaka também, contribuiu no jogo de ontem perdendo uma cobrança de penalti. É uma pena, mas futebol é assim mesmo, nem sempre os melhores ganham, está ai o Palmeiras que não me deixa mentir, há mais de dez anos não leva um troféu para a Rua Turiassú, mas continua sendo imponente na Copa do Brasil 2012, quem sabe agora vai.

Portanto, até. Tamu indu, mas vortamu logu. (putz, pareceu latim essa).



                                                      

Postar um comentário