Última semana de campanha eleitoral. Finalmente, não aguento mais.

VOTE 13 - VOTE 45 - VOTE Branco - VOTE Nulo - NÃO VOTE. Você é quem sabe do seu voto. Não se deixe levar por paixões ou retóricas e cuidado com os militantes, esses são doentes e tecnicamente contagiosos. Lembre-se que a paixão fica anos-luz da razão.
Faça o que você bem entender, só peço que não me torre o saco. Basta o meu time que não anda lá essas coisas e ainda muita gente torcendo pra ele cair, putz, me deixa mais da p da vida ainda. Que maldade.

22/04/12

Diário do Dia - Domingo, 22 de abril de 2012

Piracaia é um refúgio, um lugar onde me sinto tranquilo que me aproxima da paz de espírito. Andar pelas ruas desta cidade que fica a 90 quilômetros da capital paulista, bem próxima a Atibaia, Bragança Paulista e Bom Jesus dos Perdões, é muito gratificante.  O novo convive com o antigo em perfeita  harmonia. Vê-se bosta de cavalo esmagada entre as ranhuras dos pneus de carrões último tipo, misturando cheiros de esterco com o de gasolina. 
Nova York e Piracaia têm uma coisa em comum - cidades onde eu gostaria de morar. Pra quem conhece ambas e a mim,  sabe bem do que estou dizendo. 
Uma tem pra lá de 15 milhões de habitantes com nativos de inglês atropelado, mais os que a procuraram vindos de vários cantos da América e os que lá se refugiaram que sairam dos quatro cantos do mundo. NY é absolutamente cosmopolita.  
Agitada, grandiosa e efervecente, viver lá é estar em sintonia com o mundo nas 24 horas do dia e requer muita atenção, pois tudo muda muito rapidamente. 
Nova York é um monumento à ansiedade enquanto que Piracaia,  à paz.  Paz relativa, está certo, afinal estamos em 2012, mas, paz. Paz como se ainda vivêssemos nos anos 30, 40 ou 50, simbolicamente, claro. 
Tem cerca de 25 mil habitantes e boa parte são da própria terra,  mais os turistas que a cada ano a descobre encantadora e todos respiram do mesmo ar - mato, comércio crescente, trânsito nas ruas estreitas, bosta de cavalo e gasolina. Antes era só de bosta, agora o escremento se compõe ao derivado do petróleo criando a fragrância única. Sinal dos tempos. 
Ansiedade e tranquilidade estão em extremos opostos, mas se equilibram dentro de um mesmo espaço. Minha alma é assim, estou aqui e ali e ao mesmo tempo em nenhum lugar.


A chuva fraca de outono que chegou um pouco mais forte na madrugada de sexta feira para o sábado, somente parou no final da tarde deste feriado de 21 de abril. Deixou o dia um pouco retraído em Piracaia. Mesmo assim, comemoramos com muitos convidados o aniversário da Bibi, Gabriela, a segunda na ordem de cinco netas que, na verdade, completará seus quatro aninhos no próximo dia 24. A festa foi antecipada e bem animada. Bibi ficou feliz e nós também.

A Catarina - a minha querida Cacá, a Alice, Cecília e Olívia e mais um punhadão de crianças se cansaram da folia somente depois da meia noite. Os queridos delas ficaram até mais tarde.

FELIZ ANIVERSÁRIO, BIBI ! 



Hoje o Brasil faz 512 anos. Pelo menos essa é a data oficial - 22 de abril de 1.500. Embora tenha sido descoberto (descoberto sob o ponto de vista europeu, pois aqui habitavam seus nativos), outros já haviam passado pelo seu litoral.  Fernão de Magalhães foi um deles e Cristovão Colombo o outro, este descobriu a América e o Brasil, já naquela época, fazia parte do continente, Portanto, portugueses, espanhois e italianos confundiam-se um pouco com geografia.

O navegante português, Pedro Álvares Cabral, a mando de Don Manuel I, rei de Portugal, tentando alcançar as Índias chegou aos índios e logo foi batizando nosso pedaço com o singelo nome de Ilha de Vera Cruz.  O monte Pascoal foi sua primeira vista - Terra a vista! gritou o marujo do alto do caralho (caralho - ponto mais alto da embarcação que servia como de castigo aos insubordinados, daí a expressão - vai para o caralho), provavelmente enjoado de tanto comer carne seca, salgada e de vomitar lá do caralho. 

Constatou Cabral, ainda errante nos mares do atlântico sul,  que não se tratava de uma ilha, na verdade, pela grandeza do litoral sem fim, viu ali uma vasta terra, um continente quase. 
Pois então, disse ele em sotaque lusitano - Terás o nome santo de Terra de Santa Cruz.  Depois, não satisfeito e com uma história mal contada sobre árvores avermelhadas como um braseiro que os portugueses de pronto apelidaram de pau brasil, trocou-lhe o nome: Vamos chamá-la,  pois, de…  deixa-me ver…  Ah! já sei… Brasil.  Pero Vaz, caminha, escreva ao Rei o que descobri!
Índios adornados com objetos de ouro acenderam-lhe a alma. É certo que havia muita riqueza nesse novo horizonte, escondido além-mar e a história começou e aqui estamos nós, totalmente descobertos.

"Os indígenas começaram a tomar conhecimento da fé dos portugueses ao assistirem a Primeira Missa, rezada por Frei Henrique de Coimbra, em um domingo, 26 de abril de 1500. Logo depois de realizada a missa, a frota de Cabral rumou para as Índias, seu objetivo final, mas enviou um dos navios de volta a Portugal com a carta de Caminha. No entanto, posteriormente, com a chegada de frotas lusitanas com o objetivo de permanecer no Brasil e a tentativa de evangelizar os índios de fato, os portugueses perceberam que a suposta facilidade na cristianização dos indígenas na verdade traduziu-se apenas pela curiosidade destes com os gestos e falas ritualísticos dos europeus, não havendo um real interesse na fé católica, o que forçou os missionários a repensarem seus métodos de conquista espiritual"