12/11/2011

Borocochô


Obra de Benedito Calixto - Proclamação da República
Nada como despertar de bem com a vida. Respirar, dar conta de que está vivo, bem vivo. Mesmo num dia não tão colorido como o de hoje. Quando a gente se sente bem parece que tudo está certo, tudo caminha na mais perfeita harmonia. A vida é bela.




Não é bem o meu caso, hoje.
Na verdade não ando lá essas coisas, meio borocochô, (acho que é assim que se escreve), sem graça e com muita preguiça. Não gosto de ficar reclamando e nem ficar escrevendo sobre o meu humor, afinal, ninguém tem nada com isso e nem merece ficar ouvindo ou lendo lamúrias pela Internet. Cada um com seus problemas, como dizem.
Mas o fato é que me percebo descontente. Nada de grave está acontecendo comigo, acalmo os meus próximos - família, amigos, emprego, saúde perfeita, contas em dia, tudo como manda o manual da sobrevivência. 
Acho mesmo que estou cansado, meio de saco cheio esperando alguma coisa diferente acontecer, enjoado da rotina.
Incrível como se ouve durante o dia esta frase - tô de saco cheio! e geralmente vem seguida de um palavrão. Preste atenção, quando não dizem, compreendemos ela estampada nos rostos das pessoas. Anda todo mundo nervoso, muito nervoso.
A rotina oferece ao cidadão que paga suas contas e impostos corretamente, a sensação de segurança, de bem estar e de inclusão. Mesmo sabendo que boa parte desses impostos, quase tudo na verdade, cai nas mãos de pessoas não honestas, o ser igual ou melhor é cada vez mais valorizado. A cada dia intensificamos essa valorização nos deixando cada vez mais dependentes da rotina.
Vivemos como numa espécie de fábrica com linha de produção bem definida onde somos o produto manufaturado.
No entanto, reconhecemos, deixando as lamúrias de lado,  que muita coisa boa pode-se tirar dessa fábrica. Cada um encontra nela algo interessante para si. Difícil dizer aqui quais, pois cada um sabe da sua lista. Ela é enorme - de A a Z, pense e com esforço faça a sua, parece difícil mas não é.

Feriado prolongado é uma das coisas que colocaria na minha lista. Viajando  pra qualquer lugar, longe ou perto ou mesmo ficando em São Paulo para curtir a cidade vazia, realmente é uma delícia.
Raramente lembramos da comemoração do feriado, olhamos mesmo se ele não cai de quarta, pois ai somente ficamos com o dia do feriado que já é bom. 
O que mais gosto são os que caem nas terças feiras. Ah! esses são ótimos, o final de semana é longo, o domingo lembra sexta feira a noite e o sábado parece uma sexta de feriado, são quatro dias diferentes, seguidos, muito bom.
Pra quem viaja, principalmente o retorno fica um pouco complicado com as estradas e aeroportos congestionados, mas o prazer de ter curtido uns dias fora quebrando a rotina, compensa o desconforto.
Alguns até dividem seus feriadões, retornam antes para também curtirem a cidade vazia. Tudo vale para quebrar a maledeta.
Bom, mas o que eu queria dizer na verdade hoje no Blog é que, embora me sinta meio borocochô e sabendo que muitos possam estar assim, desejo e espero de verdade que tenhamos um bom feriadão que se inicia neste sabadão. Ficarei em São Paulo trabalhando um pouco e descansado muito.
Viva Marechal Deodoro da Fonseca! que num golpe militar derrubou o Imperador de Dom Pedro II proclamando a República no Brasil, fazendo assim com que 122 anos depois ganhássemos um feriadão maravilhoso, cujo 15 de novembro fez cair numa esplendorosa, terça feira, que pra mim é o dia da semana mais borocochô.


O Marechal sentou o pau e quebrou a rotina.

Postar um comentário