17/09/2014

Pela Ordem

INDAGAÇÃO - Justiça Brasileira.


Excelência, pela ordem. Pela ordem, Excelência. 
Ordem concedida, Vossa Excelência tem a palavra. 
Refiro-me às indagações, Excelência. Volto ao tema por ser o indagador e não o indagado, Excelência. 
Minha indignação se deve ao fato das indagações, Excelência. Indagações estas, das quais o indagador, aqui presente de viva voz, clama pelo motivo de não ter ouvido do indagado, suma resposta às minhas indagações anteriores. 
Se há uma indagação de um indagador, o indagado não deve indagar indagações evasivas. Diz a Carta Maior em seu artigo 27, parágrafo 19, Versículos 3 e 4: 
Se indagado for você, não indague você ao indagador. Nunca retribua indagações com outras indagações. 
Portanto, Excelência, indago ao candidato, presente ora no salão da justiça, do motivo pelo qual da indagação ao candidato que não havia sido indagado, quando que este, na verdade, Excelência, indagaria o que o indagou antes de ser indagado. Portanto candidato, fica aqui a minha indagação.  
Quem indaga quem? 
Espero que o senhor ao ser indagado novamente não me venha com indagações paralelas que fujam da indagação original. Pois quem indaga aqui neste momento sou eu, o indagador, o representante do povo. 
O senhor é o indagado e eu, o indagador. Que se registre nos anais as minhas claras indagações, Vossa Excelência.  
Se é que o senhor me compreende, Excelência, é isso o que tenho a indagar. 
Pois não. 
Se ninguém tem nada a contestar, nada a se opor, o processo fica adiado para decisão logo após as Olimpíadas de 2016 no Rio de Janeiro. 
Encerrada a sessão.
PAWH !!!
Imagem - Google
Postar um comentário