16/05/2015

1974 - Conceição conheceu a liberdade

 Pinterest  Gueule-de-loupviolett-tumblr.com 
Como de costume o relógio despertou às 06h30. A mão alcançou a trava e mais uma vez, por conta do sono, ela tombou o aparelho. Os trincados do vidro depois de anos já se mostravam amarelados, mas a peça se mantinha na estrutura.  
As coisas de antigamente eram para sempre.
Empurrou o cobertor para o lado e jogou a perna direita e depois a esquerda ao chão. Sentou-se à cama e com os pés procurou os chinelos. Os calçou e seguiu ao banheiro, a bexiga parecia querer explodir. 
O penico ficou de longe esquecido. Virou vaso para a samambaia, lá no quintal. O banheiro agora ficava dentro de casa. 
Dez minutos após voltou ao quarto para acordar Seu Francisco. Depois de alguns cutucões deu-se conta que o marido não se mexia, não respirava, estava frio, parecia um cadáver. Os olhos estavam bem fechados. 
Pensou: morreu. 
Depois de quase cinquenta anos Dona Conceição não tinha mais quem a inibisse nas opiniões e nem a quem precisasse cozinhar na hora certa, senão a ela mesma, quando e o que quisesse.
Até os 17 os pais europeus eram os inquisidores. A partir daí o marido tomou o lugar deles. Os filhos não a ouviam há anos. Muito menos as noras e os genros. Os netos, todos mal-educados para o gosto dela. 
Conceição sentiu-se livre.  Finalmente.
Iria viver a partir dali com seus setenta e tantos anos, como sempre quis viver: sem ter que dar satisfação a ninguém, muito menos viver pra contar histórias e dar milho aos pombos. 
Isso é coisa de quem se sente preso.
Postar um comentário