09/04/2015

Racionais

VOU LOGO DIZENDO: NÃO SE TRATA DE MC's.
Entre os Poderes da República aqui se esconde o verdadeiro perigo.  É daqui que saem os Chefes que controlam os outros dois Poderes.
E tudo meticulosamente tramado e endossado pelo nosso legítimo voto, tudo com nossa aprovação.
Sem querer acabei lendo as anotações de um amigo. Ele esqueceu seu caderninho no banco de trás do meu carro ontem quando lhe dei carona. 
Junto deste estava dobrado um jornal e óbvio no caderno de política, onde se lia a manchete que falava alguma coisa sobre deputados em Brasília que aprovariam coisas contrárias aos direitos dos trabalhadores. 
Esse amigo é leitor de política. Pra mim, acho uma perda de tempo, mas. 
Fiquei chocado com o que li, um desabafo dos mais sérios, não somente por ele, mas pelo que representava.  
Acabei me dando conta que esse amigo estava mesmo era deprimido. E pior, muito pior, além disso, constatei que ele não acreditava mais em Deus.  
Vá-lha-me, Deus, nosso Senhor Jesus Cristo!
Pobre amigo, rezarei muito por ele.  
O desabafo se escancarou da seguinte maneira: 

OS RACIONAIS 
Noto serenidade, coerência e dignidade na vida dos seres irracionais. Vida e morte fluem espontaneamente por este universo. 
Na dos racionais, no entanto, as coisas parecem diferentes. Os vejo tortos, deformados e sem virtudes. 
Me pergunto o motivo de sua existência e da persistência deles no planeta. Me esforço para tentar compreender o que fazem por aqui, mas fico sempre sem respostas. 
Desde quando? Não sei dizer, desde o princípio dos tempos, talvez. 
Provocarão os racionais o final dos tempos? 
Tudo indica que sim. Malditos!
Individualmente eles até aparentam simpatia, inteligência,  sensibilidade e alguns até nos surpreendem com a intensidade dessas características. 
Mas quando se agrupam tornam-se tão terríveis, revelam a verdadeira essência de sua composição. É coisa triste de se ver. Covardes!
Uma espécie a qual se tentou o máximo e se alcançou o mínimo. Uma experiência falha. 
Se alguém ou algo de fato criou deliberadamente os homens e sua racionalidade, esse alguém ou algo errou feio e muito feio, aliás.   
Escondi o caderninho de mim mesmo e se o amigo me perguntar amanhã se eu o encontrei no carro, direi que não. 
Não quero que ele se sinta constrangido por eu saber que ele é um ateu enrustido, acho mais racional assim.


Postar um comentário