28/12/2015

O FOTÓGRAFO FOTOGRAFADO


Imagem - Google
Naquela noite ele sentiu a inspiração remoendo-lhe os miolos. Ergueu-se de súbito do sofá onde descansava esbarrando na mesinha de centro, levando ao chão o vaso que imitava porcelana chinesa. Colocou a câmera e os apetrechos na velha mochila largada há dois dias ao lado da escrivaninha e saiu batendo a porta. 
Tornaram-se frequentes as fotografias noturnas. Faria mais uma sessão para Flagrantes, álbum com registros das reações de pessoas comuns em situações supostamente inéditas. Tudo em plano fechado e sem o artifício da cor.
O gosto por imagens em ambientes ermos ele adquiriu ainda jovem assistindo aos clássicos da RKO. O contraste entre as altas e as baixas luzes o impressionava, para ele o sombrio dava às cenas a dramaticidade que sequestrava a alma de qualquer um.
De início imaginou que concluiria o projeto em poucos meses. Acreditava que até o final de outubro daquele ano ele teria material suficiente para uma exposição, que, de certo, o tornaria muito famoso.
Porém, três outubros se passaram e ele ainda não se sentia satisfeito. Não por falta de material, imagens ele havia produzido aos montes.
O que batia mesmo era o desejo incontrolável por algo ainda mais significativo, uma fotografia espetacular, chocante e essa era a justificativa para que ele continuasse.

Seria hoje a conclusão do portfólio?
A única coisa que aborrecia o fotógrafo nas sessões eram as esquisitices do equipamento. À cada clique um ruído ensurdecedor saia da máquina. Uma espécie de estampido seco, um flash de luz desproporcional e um forte cheiro de enxofre que azedava o ar instantaneamente. A mão era pega de surpresa pelos solavancos.
Os sustos, tamanhos, faziam com que as sessões fossem interrompidas toda santa vez. Um corpo no chão e a fuga seguiam-se aos estrondos inconvenientes, mas o
s registros dos flagrantes ele guardava cuidadosamente na memória.
Contudo, naquela noite o fotógrafo se surpreendeu, a pessoa escolhida para ser clicada não era tão comum assim e quem foi fotografado por uma câmera barulhenta foi ele.
Todo material de arquivo se perdeu com o clique do outro equipamento esquisito. 

A exposição jamais se realizou, mas o fotógrafo, da noite para o dia, tornou-se figura muito conhecida. Um sucesso que rendeu, inclusive, roteiro de filme em Hollywood.

Postar um comentário