10/10/2015

Água em Marte, Deus e as Boias

Alguns acreditam em Deus e se sentem seguros assim. Outros apelam para a crença na vida além da terra, vislumbram o contato imediato do 3˚ grau como a chegada do Messias.
Cena final do filme "Contatos Imediatos do 3˚ Grau" de 1978
A Nasa anunciou a descoberta de água em Marte e com isso considerou a possibilidade de vida no planeta vermelho ou, ao menos, ter existido vida um dia por lá.
Claro que seria vida microscóspica, mas vida é vida e cá pra nós, quem nunca imaginou seres de outros planetas nem por um instantezinho quando criança.
Vida de qualquer tipo, modelo, raça ou cor. Micro cósmicas, sólidas, líquidas ou gasosas. Inteligentes, sábias, de corpos gigantes e prateados, de olhos acinzentados ou até pequenos e desengonçados como são os das crianças da Terra.
Vida que prega a paz ou que difunde guerras intergaláticas, gente sisuda desembarcando de estranhas naves com o propósito de nos aniquilar para roubar toda água dos oceanos ou de seres prateados de braços longos e pernas esguias como bambús verdes, dispostos a explicar a nossa origem, esclarecer o que é o tempo, o espaço e o motivo pelo qual alguns filiam-se a partidos políticos e pior, uns tantos até se transformam nos próprios políticos.
Existiria vida além dos nossos rincões?  Seriam elas inteligentes, seriam organizadas socialmente, se dividiriam em castas, obedeceriam organogramas e teriam religiões?
Afinal, tudo indica que o universo não esbarre num fim e que ele não esteja cercado por muros iguais aos de Berlin. O que se enxerga no universo, flutua num enorme vazio. Parece que tudo está dentro de um nada que dá a forma a um grande todo. Sem começo, sem meio e sem fim.
E nós aqui estaríamos sozinhos no universo abduzidos pela fé? 
Com o tempo eu fui moldando um jeitinho pra me proteger dos aborrecimentos terrenos. Toda vez que me encontro insatisfeito, chateado, agoniado, penso nas estrelas, no firmamento e logo digo baixinho pra ouvir a minha voz: caracas, não sou nada diante dessa coisa toda, mas estou aqui. Flutuo no espaço mesmo preso à gravidade e diante desse todo vejo que não passo de um ninguém e quem se importaria com a minha "ninguemnetude" ?  
Solidão urbana é isso mesmo, com ou sem água.
A gente busca segurança desde quando nascemos. Acho que é por isso que acreditamos em um Deus, uma espécie de boia pequena para náufragos terem alguma chance em oceanos agitados.
Cada um tem seu Deus, acho que até mesmo os ateus têm os deles. 

Postar um comentário