16/11/2014

Vontade de Vomitar

Imagem do blogueiro
Sinto vontade de vomitar quando ouço, leio ou vejo manifestações totalitaristas.  
Do manifestante, o exagero irracional. Do opositor, maniqueísta também, a mesmíssima coisa. 
Se jogássemos os dois lados numa lata de lixo não saberíamos dizer quem teria sido do primeiro grupo e quem  teria vindo do segundo. 
Procure uma igreja qualquer quando ela estiver abarrotada de fieis. Vá até o altar e pegue sorrateiramente o microfone e em alto e bom som exponha seus pontos-de-vista sobre Deus, o Diabo, os Santos e os Demônios evocados nos cultos. Democraticamente, como se diz hoje em dia. 
Adivinha o que aconteceria, meu raro leitor? Nem precisaria dizer, te enxotariam dali num vapte-vupte. 
Imagine agora um estádio de futebol monumental, um desses do tipo Arena construídos para a Copa do Mundo. Convide religiosos das mais diversas correntes. Encha o estádio de crentes e faça com que tirem a roupa, sem pudores, considerando somente uma situação hipotética e analítica. 
Cristãos em geral, católicos romanos, ortodoxos, muçulmanos, judeus, budistas, espiritualistas, enfim, representantes de todas as manifestações, peladinhos da silva na nossa Arena  
Raspe as barbas, os bigodes e tudo que se mostrar característico de qualquer crença. 
A magia aconteceria logo em seguida. Misturados  notaríamos as surpreendentes semelhanças entre uns e outros. Alguns mais moreninhos, outros clarinhos; altos, baixos, machos, fêmeas, calmos, ansiosos, mas, de modo geral, veríamos o quanto são parecidos quando estão do mesmo lado.
Acho que é da nossa natureza nos dividirmos para depois nos juntarmos em grupos com bandeiras diferentes. Criamos elas porque necessitamos nos destacar e em turma fica mais fácil. 
Pode ser uma espécie de falha mecânica na linha de produção que mereceria um chamado geral da fábrica para uma revisão gratuita. Recall (acho que é esse o nome certo)
Fundamentalistas do PT, peço que parem de querer monopolizar a verdade e debochar de quem te contradiz. O que você vê como oposto, na verdade trata-se do seu próprio eu, um reflexo no espelho, só que de maneira invertida, somente isso. Nada mais que isso. Precisa desenhar, inocente? 
Sinto vontade de vomitar vendo o que se tornou a sua revolução, mas evito te expor ao ridículo. Aqui entre nós, nem Fidel teria feito tão ruim assim.


Postar um comentário